• s

Sobre a Questão Judaica

Karl Marx

\"Sobre a Questão Judaica\" (em alemão: \"Zur Judenfrage\") é um ensaio de Karl Marx escrito no outono de 1843. É uma das primeiras tentativas de Marx de lidar com categorias que seriam chamadas mais tarde de Materialismo histórico - concepção materialista da história. Tem-se argumentado que a obra contém manifestações de anti-semitismo - ver seção Interpretação abaixo.

O ensaio critica dois estudos sobre a tentativa dos judeus de conseguir emancipação política na Prússia de autoria de outro jovem hegeliano, Bruno Bauer. Bauer argumentou que os judeus somente poderiam atingir a emancipação política se renunciassem a sua consciência religiosa particular, uma vez que a emancipação política requer um estado secular, que ele assume não deixar muito \"espaço\" para identidades sociais como a religião. De acordo com Bauer, as demandas religiosas são incompatíveis com a idéia de \"Direitos do Homem.\" A emancipação política verdadeira, para Bauer, requer a abolição da religião.

Marx usa o ensaio de Bauer como uma oportunidade para a sua própria análise dos direitos liberais. Marx argumenta que Bauer está equivocado na sua suposição de que num \"estado secular\" a religião não iria desempenhar um papel proeminente na vida social, e, como exemplo se refere à persistência da religião nos Estados Unidos, que, ao contrário da Prússia, não tinha religião de estado. Na análise de Marx, o \"estado secular\" não está em oposição à religião, na verdade a pressupõe. A remoção das qualificações de cidadãos relacionadas à religião ou à propriedade não significava a abolição da religião ou da propriedade, apenas introduzia uma nova forma de ver o cidadão desconexo dessas coisas. Nessa nota Marx vai além da questão da liberdade religiosa em direção à sua preocupação maior - a análise de Bauer da \"emancipação política.\" Marx conclui que enquanto indivíduos podem ser \'espiritualmente\' e \'politicamente\' livres em um estado secular, eles ainda podem estar presos à restrições materiais sobre a sua liberdade pela desigualdade de renda, uma suposição que iria formar mais tarde de sua crítica ao capitalismo.

Fonte: Angola Formativa


DESCARREGAR (PDF)

Deixe um Comentário

Deixe aqui o teu comentário ou a pergunta sobre o tópico para ajudar a comunidade ou para que a comunidade o ajude a si

Comentários

©2020 ASGLOBAL / Angola Formativa // Viana - Luanda - Angola | Webdesign AngolaBYDAS

Voltar ao Inicio