Guiné-Bissau: Responsáveis pelo Ensino Superior particular acusados de «mercantilismo»

22-10-2014

Fernando Dias apelou aos dirigentes daquelas instituições no sentido de inverterem a ordem das suas visões e prioridades, reestruturando escolas e dando maior primazia às excelências académicas que se pretende no país. O secretário de Estado do Ensino Superior fez as declarações à PNN esta quarta-feira, 22 de Outubro, durante a cerimónia de abertura do novo ano lectivo 2014/15, na Faculdade de Direito de Bissau, tendo sublinhado ainda que a recente integração da Faculdade de Direito de Bissau na Universidade Amílcar Cabral, como sua unidade orgânica, não belisca a sua autonomia de administração pedagógica e científica consagradas nos diplomas legas, mas pelo contrário vem reforçar o relançamento imperioso da universidade pública com a sua experiência e prestígio para afirmação definitiva da Universidade Amílcar Cabral. Este governante reconheceu também que o ensino superior no país apresenta sinais graves, principalmente na qualidade do corpo docente, falta de equipamentos e materiais didácticos adequados ao processo de ensino e aprendizagem de qualidade necessária na Guiné-Bissau, pelo que é urgente inverter esta tendência para o relançamento da qualidade do ensino superior no país. A cerimónia foi assistida pelo embaixador de Portugal na Guiné-Bissau, António Leão Rocha, na presença do encarregado de negócios de Portugal, de docentes e estudantes. A Faculdade de Direito de Bissau começou a funcionar em Janeiro de 1990 e já formou muitos quadros juristas e advogados que estão a trabalhar no aparelho do Estado guineense. Tiago Seide

Avaliar

Comentários (X)

Deixe um comentário...