Guiné-Bissau: «Algumas autoridades políticas e militares guineenses estão corrompidas pelo Senegal»

05-01-2015

A questão de Casamança regressou à actualidade guineense após ter sido noticiada uma suposta presença de rebeldes do MFDC no norte da Guiné-Bissau, e terá sido este o motivo que provocou um «desentendimento» entre o ex-ministro do Interior, Botche Candé, e algumas patentes das Forças Armadas guineenses, que levou à exoneração do Ministro do Interior. Em entrevista ao jornalista Lassana Cassama, Salif Sadjo, líder do MFDC, negou ter militares presentes na Guiné-Bissau e sublinhou que as suas forças deixaram de operar na região norte da Guiné-Bissau, particularmente em Kassolol e Farim, desde 2006. Para Salif Sadjo as acções atribuídas ao MFDC na Guiné-Bissau, que têm justificado intervenções da Forças Armadas guineenses contra os rebeldes de Casamança, são apenas «intoxicações de pessoas corrompidas» pelo Senegal, e insistiu que o seu movimento apenas opera em Casamança. No entanto o líder do MFDC afirmou que outros grupos armados de Casamança, financiados mensalmente pelo Senegal, ainda estão presentes na Guiné-Bissau e têm como missão «denegrir» a imagem do MFDC «através de acções maléficas». Salif Sadjo disse também que os grupos armados de Casamança que estão no norte da Guiné-Bissau beneficiaram da cumplicidade de «uma parte das antigas autoridades guineenses, infestadas pela corrupção do Senegal» tal como ainda beneficiam algumas autoridades políticas e militares guineenses. O mesmo responsável acusou também Dakar de ter corrompido Tagme Na Way, Bubo Na Tchutu e Kumba Yala, que o líder do MFDC considera que foi Presidente à custa do sangue derramado em Casamança. (Leia a reportagem integral na próxima edição da Password Confidential Newsletter - PCN [email protected])

Avaliar

Comentários (X)

Deixe um comentário...